quarta-feira, 22 de março de 2017

Resident Evil: The Final Chapter






Título em Português: residente Evil: Capitulo final
Realizador: Paul W.S. Anderson
Argumento: Paul W.S. Anderson
Ali Larter
Duração: 1h46 minutos.
Ano: 2016
Género: acção/ficção Cientifica
Classificação: M/16

Sinopse: Alice regressa à colmeia onde tudo começou. A conselho da rainha vermelha, o regresso às origens é bem atribulado mas é a única esperança para acabar com o maldito vírus que infectou o mundo inteiro.

Dizem que este é o ultimo filme da saga Resident Evil e como tal, foi tudo feito em grande estilo. Existe mais acção do que nos filmes anteriores e os efeitos especiais são bons como costume. 

Alice tem a difícil tarefa de lutar contra os zombies e ao mesmo tempo tentar proteger os seus amigos. Num mundo caótico onde o perigo espreita por todos os lados, torna-se complicado saber em quem confiar. 

A rainha vermelha pede a Alice que regresse á colmeia porque tem um “presente” para ela. A heroína do costume não sabe se acede ao pedido porque já foi atraiçoada outras vezes mas a proposta é aliciante: se ela chegar ao destino em 48 horas, terá a cura para o vírus-T e assim toda a humanidade será salva. 

Gostei: Tenho um carinho especial pela saga Resident Evil e até foi o primeiro filme que falei aqui no meu blog em maio de 2006. Gosto de mulheres de acção que não estão à espera do príncipe encantado para as vir salvar. Esta Alice é dura quando é preciso mas também tem coração e está disposta a tudo para proteger os seus amigos. 

O filme faz um pequeno resumo de como tudo começou e no fim ficamos a saber quem é a Alice de verdade.

Não gostei: Acho que vou ficar com saudades do Resident Evil...

Pontuação: 8/10

sábado, 18 de março de 2017

Annabelle




Título em Português: Annabelle
Realizador: John R. Leonetti
Argumento: Gary Dauberman
Duração: 1h39 minutos.
Ano: 2014
Género: M/16
Classificação: Terror/Mistério



Sinopse: O que parecia uma inofensiva boneca de porcelana (com ar macabro diga-se de passagem), em pouco tempo torna-se uma dor de cabeça para os seus novos donos.

Mia e John vão ser pais e como prenda para a futura mamã, o marido decide comprar-lhe uma boneca de porcelana que ela tanto queria. Nesse mesmo dia, coisas estranhas começam a acontecer. Os vizinhos da casa ao lado são assassinados e os culpados também fazem uma visitinha ao casal protagonista do filme. 

Demora um certo tempo até aos donos associarem as sucessivas desgraças que começam a acontecer com a boneca mas quando faz-se luz, as coisas passam a fazer sentido-

Normalmente neste género de filmes, o desenvolvimento da historia demora um pouco a chegar. Fiquei surpresa quando vi que tínhamos acção desde o começo e depois fiquei a pensar: ok…isto só pode ficar lento o resto do tempo. Felizmente não foi bem assim e temos acção e principalmente tensão durante todo o filme.

Para um filme de terror, os efeitos especiais são fraquinhos mas o que falta em efeitos sobra em tensão. Esse é o elemento principal do filme porque consegue fazer-nos sentir em suspense o tempo todo apesar de ter alguns elementos previsíveis. 

Gostei: da forma como a história desenrola-se.

Não gostei: os efeitos especiais são fraquinhos.

Pontuação: 7/10

segunda-feira, 13 de março de 2017

In Their Skin


Título em Português: Réplicas
Argumento: Joshua Close
Atores: Selma Blair
Duração: 1h37 minutos.
Ano: 2012
Género: Thriller



Sinopse: Depois da morte acidental da filha mais nova, os Hughes decidem mudar de ares e vão morar na casa de campo. Subitamente são invadidos por um casal com um filho, com o objectivo de dar as boas-vindas aos novos vizinhos. Logo, a família recém-chegada perceberá que esta intromissão é muito mais do que uma simples curiosidade de vizinhança.

O filme não tem uma historia nova e dá-nos a sensação de já o termos visto antes, dadas as semelhanças com outros filmes do género. 

Uma família que mora no campo, longe de vizinhos, é abordada por estranhos. Estes, no começo fazem-se de amigos e até trazem presentes mas cedo percebemos que esta calorosa recepção traz água no bico. Não demora nada até a suposta família que vem acolher os novos vizinhos, mostre o que vale e os habitantes têm de lutar pela sobrevivência.

Gostei: Da casa!

Não gostei: É uma historia repetida vezes sem conta noutros filmes. Só mudam os actores.

Pontuação: 6/10


quinta-feira, 9 de março de 2017

The Girl on the Train



Título em Português: A Rapariga no Comboio
Realizador: Tate Taylor
Argumento: Erin Cressida Wilson
Atores:
Emily Blunt

Haley Bennett
Rebecca Ferguson
Justin Theroux
Luke Evans
Duração: 1h52 minutos.
Ano: 2016
Género: Drama/Mistério
Classificação: M/14



Sinopse: Rachel Watson é a rapariga no comboio. Todos os dias ela viaja para trabalhar em Nova Iorque e durante o percurso, o comboio passa pela antiga casa dela. Apesar de tentar evitá-lo, ela não consegue deixar de olhar. Algumas casas a seguir à sua, ela vê todos os dias um jovem casal. Aparentemente são felizes mas uma situação vista por Rachel vai mudar tudo.

Rachel começa o filme por apresentar-nos uma mulher curiosa. Logo no começo ela diz que queria aquela vida (das pessoas que observa). Aos poucos vemos que é uma mulher sofrida e refugia-se na sua imaginação para afastar-se um pouco dos seus problemas. Todos os dias, no seu caminho para casa, ela observa a sua antiga casa. Agora que o marido casou com outra, aquele não é mais o seu lar mas ainda tem os moveis comprados por ela, o marido era o dela e só muda mesmo é a dona da casa. O divorcio foi difícil digerir e por isso a jovem muda o foco para a casa mais abaixo. Lá mora um casal. Parecem felizes e têm tudo o que ela queria ter.

Um belo dia, Rachel vê a jovem da casa que admira com outro homem. Ela fica revoltada como se aquilo acontecesse com ela. Como poderia aquela mulher deitar tudo a perder? Tem uma casa linda, um marido bonito e trai-o com outro? Rachel sabe que a traidora gosta de correr e um dia, ao segui-la decide confrontá-la. A partir daí tudo torna-se confuso porque Rachel acorda cheia de sangue e não tem a certeza do que aconteceu. 

Gostei: Emily Blunt é sem duvida a estrela do filme mas não se pode dizer que os outros atores tenham estado mal.

O mais curioso deste filme é que faz-nos sentir um monte de emoções ao longo do tempo. Sentimos pena, raiva, simpatia, compaixão e outros tantos sentimentos conforme a historia desenvolve-se. Gostei disso.

Não gostei: A maior falha deste filme (e segundo li, do livro também) é a fase inicial ser muito lenta. Nada acontece durante um bom tempo e quase desisti do filme. Ainda assim, cheguei ao fim mas sem deixar de desejar que o filme tivesse mais acção no começo para ser realmente interessante.


Pontuação: 6.5/10

quarta-feira, 1 de março de 2017

Suicide Squad


Título em Português: Esquadrão Suicida
Realizador: David Ayer
Argumento: David Ayer
Atores: Will Smith
Margot Robbie
Viola Davis
Jared Leto
Duração: 2h 3 minutos.
Ano: 2016
Género: Acção/Fantasia
Classificação: M/14



Sinopse: O governo decide juntar um grupo com os piores criminosos para combater o crime. É uma ideia da treta? É, e tem tudo para correr mal.

O filme mostra que Gotham City, para não variar está num caos. Porém, depressa todo o mundo virará um inferno se uma bruxa poderosa levar os seus planos adiante.
Quando uma chefe de uma organização escolhe os piores criminosos para voltar a por ordem no mundo, os seus colegas acham uma ideia disparatada mas logo mudam de ideias. É assim que o filme desenvolve-se numa luta de quem é o mais forte.

Tenho a dizer que sinto-me enganada. O trailer mostra um Joker doido como é costume, a ser o chefe do grupinho de bandidos mas não é isso que acontece. Este joker não aparece mais de cinco minutos no total e a harlequina é que tem a tarefa de ser louca e divertida ao mesmo tempo. Consegue-o na maior parte das vezes, apesar de pecar por exagero nalgumas. 
Will Smith assume a liderança do grupo e consegue ser sério o tempo todo.

Gostei: Do homem de fogo.

Não gostei: Esperava mais, muito mais mas o filme perde-se pelo caminho com tantas personagens. No fim temos duas horas de nada.

Pontuação: 6.5 /10

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Storks



Título em Português: Cegonhas
Argumento: Nicholas Stoller
Atores: Andy Samberg
Duração: 1h27 minutos.
Ano: 2016
Género: Animação
Classificação: M/3



Sinopse: As cegonhas costumavam entregar bebés mas agora isso mudou. Agora entregam pacotes por todo o mundo, numa tarefa bem menos penosa do que a anterior. Porém, Junior a cegonha e a órfã Tulip cometem um erro ao usar a antiga maquina para fabricar um bebé. Contra tudo e contra todos, os dois colegas vão ter de fazer esta ultima entrega porque há uma família à espera da criança.

Tulip é uma órfã que está a trabalhar na loja desde sempre. Após um problema com uma cegonha, ela não pôde ser entregue e assim foi ficando até à idade adulta. O chefe Hunter ordenou que Júnior a despedisse se quisesse ser o novo chefe mas a única humana no meio de cegonhas faz uma trapalhice monumental. 

Quando Tulip recebe uma carta de uma criança que quer um irmãozinho, põe a maquina a funcionar, contrariando as ordens do chefe. Afinal, uma encomenda tem de ser sempre entregue! Júnior vê a sua promoção ir por agua abaixo mas junta-se à colega nesta missão perigosíssima.

Gostei: A bebé é fofa e querida e os bonecos são fofos mas…

Não gostei: não é tão engraçado quanto seria de esperar.

Pontuação: 6.5/10

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Fifthy Shades Darker


Título em Português: As cinquenta sombras mais negras
Realizador: James Foley
Argumento: Niall Leonard
Atores: Dakota Johnson
Duração: 1h58 minutos.
Ano: 2017
Género: drama/Romance
Classificação: M/16



Sinopse: Ana está a trabalhar mas não consegue tirar Christian da cabeça. Quando ele aparece, traz consigo todo um passado sombrio que precisa ser revelado se quiser que a relação continue.

Ana está a trabalhar no emprego que tanto sonha. Tudo corre bem até Mr. Grey decidir que quer a jovem de volta. Ela não tarda nada em aceitar mas isso tem um preço: uma antiga submissa de Grey está a rondar e é perigosa. 

O emprego de sonho começa a tornar-se um pesadelo quando o patrão passa a assediar Ana. Nada que o seu fiel protector não resolva, até porque ele é dono da empresa.

Gostei: A banda sonora é melhor que o filme

Não gostei: Faltam muitas coisa para que este filme merecesse mais do que as minhas 6 estrelas. Falta emoção, falta acção e sim, falta sexo (por mais estranho que possa parecer). 

O problema em passar o que está escrito no papel para o ecrã, é que o ponto essencial do livro tem de ser escondido, ou seja, o sexo. Senão isto não passava de um filme b. Ainda assim, o filme poderia explorar mais a relação entre os dois, os traumas de Grey e a luta que Ana trava entre ser independente mas depender do amado.

Pontuação: 6/10

Resident Evil: The Final Chapter

Título em Português: residente Evil: Capitulo final Realizador: Paul W.S. Anderson Argumento: Paul W.S. Anderson Atores: ...